Twitter

Postagem em destaque

Como denunciar os crimes de discriminação

As discriminações contra os nordestinos durante as eleições presidenciais são considerados crime nos artigos 286 e 287 do Código Penal. ...

Titi, filha de Gagliasso e Ewbank, é atacada na web: 'Macaquinha'

10/11/2016

Titi, filha de Gagliasso e Ewbank, é atacada na web: 'Macaquinha'



Os comentários racistas e maldosos na web não estão reservados apenas aos adultos. A filha de Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank, de apenas 2 anos, foi alvo de um comentário preconceituoso nesta terça (8).
Em uma foto postada por Ewbank no Instagram, uma seguidora questionou a adoção do casal e proferiu os ataques. "Você e seu marido até que combina, mas a criança que vocês adotado [sic] não combinou muito pq ela é pretinha e lugar de preto é na África. [..] Parece uma macaquinha", disse a seguidora, segundo o Bahia Notícias.
Giovanna rebateu horas depois com um post falando sobre a beleza negra: "Aquela cor singular É muito mais que uma tonalidade É luta, é força, é vida. É gente, é povo, é dignidade. Aqueles olhos escuros Revelam um brilho sem igual Cabelos crespos sim... Não é defeito, é natural! Aquele povo bonito Tem voz, tem saber, tem memória. Tem swing, tem estilo, tem canção. Com um “lápis” na mão reescreve sua história. Aquela gente alegre De cor bela...De cor preta. Não há nada semelhante. A essa gente de beleza negra!"
Na postagem, os fãs destacaram a tristeza sobre o acontecido com Titi e deram apoio a Gio. "Você é um ser humano maravilhoso! Além de toda beleza física ainda consegue ser mais bela por dentro! Parabéns pela filha #titi que tbm é uma princesa! Deus abençoe essa família!", escreveu um internauta. "É muito triste saber que existe uma pessoa assim, imagino o quanto ela é mal amada. Ser negro e ter cabelos crespos é a coisa mais linda, tenho orgulho de ser assim! Que Deus tenha piedade dessa garota", lamentou outro.
Chissomo, apelidada de Titi, foi adotada por Bruno e Giovanna no Malauí.


 Fonte:  NOTÍCIAS AO MINUTO


Gaby Amarantos é vítima de racismo na web e é defendida por fãs

09/11/2016

Gaby Amarantos é vítima de racismo na web e é defendida por fãs  






Capa da "Boa Forma" de novembro, a cantora Gaby Amarantos foi vítima de racismo na web e foi defendida por fãs na tarde desta terça-feira. "Gaby nada contra você, mas você é moreninha e morena não merece estar no Brasil merece estar na África porque lá é lugar de pretos vc é neguinha e tem o cabelo cacheado #Forapretos!", escreveu uma seguidora.

Outros seguidores defenderam a cantora. "Você é linda, e seu lugar é onde você quiser, pois você é capaz de brilhar onde estiver. Já o lugar de racistas é na prisão! #xôracismo#xôpreconceito", se revoltou uma fã. "Você é linda Gaby! Você é nossa, você nos representa. Vai lá e dá um show! Torço por você! Você é maravilhosa! Orgulho do paraense!", apoiou outra.
"É brincadeira o que essa louca falou acima, né? Ô, racista ignorante, lá nos Estados Unidos você sofre racismo, viu? Branca do Brasil se achando superior...kkkkkkkkkkkkkkk Eu juro que acho que é brincadeira porque não é possível que isso exista! Diz que é @ingridd_ferreira ! Gaby Amarantos é negra, não moreninha, e é um ser humano e artista foda. Você deve ser uma frustrada com a vida. Só pode. Doida!", defendeu outro fã.


Além de Gaby, a atriz Sophia Abrahão e a musa fitness Bella Falconi posaram para a edição de dezembro da "Boa Forma". A publicação está promovendo a campanha #amominhaboaforma, que incentiva um "verão sem padrão". Em sua conta no Instagram, Gaby aprovou a iniciativa: "MUITO OBRIGADA @bellafalconi e@sophiaabrahao pelo carinho, elas tb estão tem a capa delas, pra provar que a diversidade da mulher brasileira pode e deve ser respeitada".

Silvio Santos é criticado por 'elogio' racista e gordofóbico.

Silvio Santos é criticado por 'elogio' racista e gordofóbico.






Público não viu com bons olhos o comportamento do apresentador com um grupo de dançarinas plus size


Sempre que Silvio Santos aparece, momentos hilários marcam a TV. No último dia do "Teleton", por exemplo, o novo garoto-propaganda da Tele Sena e uma das personalidades mais admiradas do Brasil disse para a cantora Anitta que não poderia dançar com ela, do contrário ele ficaria excitado. A frase arrancou gargalhadas da artista. Mas, a declaração de Silvio no domingo (06) envolveu racismo e gordofobia e desagradou internautas.

Durante a atração que arrecadou R$ 27 milhões, Silvio cometeu algumas gafes ao conversar com um grupo de dançarinas plus size. Primeiro ele disse: "Você, embora sendo a única negra, é bem bonita. É bonita de verdade", disse. Depois, ele falou sobre o peso das meninas. " Quem casar contigo vai ter dois prazeres. Um na hora do bem bom e outro na hora em que você sai de cima", disse para uma das dançarinas. O patrão ainda ironizou a dieta de uma das meninas, que disse que comia salada. "Ah, ela come salada! Tá bom, viu", brincou o empresário que vai completar 86 anos em dezembro.
O público não viu o comportamento de Silvio Santos com bons olhos e as críticas começaram na internet. "Gosto muito do Silvio Santos, mas ele errou feito com esse comentário. Piada horrível", avaliou um internauta. "Silvio Santos surpreso por ter visto uma mulher negra bonita. Está precisando circular mais, querido", ironizou outra. "Estou ouvindo direito? O Silvio Santos está fazendo piada racista e gordofóbica na TV? Isso é crime", questionou uma terceira pessoa.


Fonte:
https://diversao.terra.com.br/gente/purepeople/

Como denunciar os crimes de discriminação

31/10/2014

As discriminações contra os nordestinos durante as eleições presidenciais são considerados crime nos artigos 286 e 287 do Código Penal. E qualquer um pode denunciar.
Para mobilizar e facilitar o trabalho de reunir essas manifestações de ódio e preconceito pelo Facebook, Twitter e demais redes sociais, um grupo criou o site Esses Nordestinos.
A página reúne as postagens e fornece dicas de como denunciar diretamente para o Ministério Público Federal. “Enviar prints de manifestações xenofóbicas para este tumblr ajuda a expor o problema e gerar discussão, mas se você quer dar um passo adiante e fazer com que os autores das mensagens respondam por suas palavras, considere fazer uma denúncia formal no site do Ministério Público Federal”, explica o portal.
Sem burocracia, é fácil fazer as denúncias. Basta registrar os dados no sistema de denúncia online do MPF.
Ainda, para aqueles que não querem se identificar, uma ONG que trabalha pela defesa dos direitos humanos, a SafernetBrasil, em parceria com o próprio Ministério Público Federal criaram o site de denúncias anônimas de discriminação, preconceito ou incitação ao crime na web: owww.denuncie.org.br, que encaminha as ações aos órgãos públicos competentes.
O presidente da Safernet, Tiago Tavares, em entrevista ao programa Ponto Com Ponto Br, lembrou de um caso que ocorreu no fim das eleições de 2010. Episódios semelhantes aos acompanhados nos últimos dias também ocorreram. Em um deles, uma estudante de direito publicou no Twitter: “Nordestisno (sic) não é gente. Faça um favor a SP: mate um nordestino afogado!”.
Com a denúncia da mensagem preconceituosa, a estudante perdeu o seu trabalho como estagiária e foi condenada pela Justiça Federal de São Paulo pelo crime de discriminação, a 1 ano, 5 meses e 15 dias de prisão, que foi convertido em prestação de serviço comunitário e multa. “Infelizmente, a repercussão desse caso não foi suficiente para coibir o que os usuários fizeram após as eleições do dia 5″, disse o presidente.
Por outro lado, houve o aumento de denúncias de crimes cibernéticos no site, refletindo uma conscientização maior da população.
As mensagens preconceituosas dos últimos dias terão consequência jurídica: “alguns vão responder por crime, sofrer sanções civis e outros serão penalizados pela sua própria rede de relacionamento”, garantiu.
Fonte: Pragmatismo Político

Juiz aceita denúncia e gremistas viram réus por racismo

Juiz aceita denúncia e gremistas viram réus por racismo


A Justiça do Rio Grande do Sul acolheu a denúncia oferecida pelo Ministério Público contra quatro torcedores do Grêmio acusados de ofender o goleiro Aranha, do Santos, com injúrias raciais. O processo contra Eder de Quadros Braga, Rodrigo Machado Rychter, Fernando Moreira Ascal e Patrícia Moreira da Silva vai tramitar no Juizado do Torcedor, sob o comando do juiz de Direito Marco Aurélio Martins Xavier.
O magistrado também aplicou medida cautelar proibindo os quatro torcedores de frequentar estádios nos quais o Grêmio esteja jogando, seja como mandante ou visitante. Nessas ocasiões eles terão de se apresentar a uma delegacia de polícia de Porto Alegre. Em caso de descumprimento, serão submetidos ao uso de tornozeleira eletrônica. Os acusados poderão se livrar do processo se aceitarem algumas condições que a Justiça vai apresentar em audiência marcada para 24 de novembro. As imposições para a concessão do benefício não foram divulgadas, mas, em casos similares, têm sido de pagamento de multa e prestação de serviços comunitários.
Os incidentes ocorreram pouco antes do final do jogo disputado dia 28 de agosto, na Arena do Grêmio, e vencido pelo Santos por 2 a 0. Patrícia foi flagrada pela câmera de uma emissora de televisão gritando a palavra "macaco". Os outros imitaram sons e gestos do animal. A jovem admitiu ter cometido ato impensado e pediu perdão publicamente ao goleiro. Os rapazes disseram que não ofenderam o jogador.

"Os acontecimentos revelaram-se atentatórios à honra do ofendido, com requintes de menosprezo racial, o que é inadmissível na realidade contemporânea", afirmou o magistrado, ao acolher a denúncia. "As ofensas envolvem uma senda de violência e fanatismo, que permeiam o ambiente dos estádios, fomentando a violência e alimentando essa chaga social que é o preconceito racial". Para o juiz, "somente com apuração e responsabilização, teremos medidas pedagógicas que inibirão os fatos dessa natureza".

fonte: Estadão
Elder Ogliari

Piauí disse tudo e mais um pouco - Parte 2

10/02/2013

Datena Condenado!

Linda e Burra

Comentário considerado racista agita rede social

25/10/2012


Comentário considerado racista agita rede social
Luis Philipe Souza | Nacional | 25/10/2012 17h44
A internauta do Rio de Janeiro Kenya Mayrink gerou revolta em centenas de pessoas no Facebook nesta quinta-feira após publicar o seguinte comentário: "#odeiocentrode qqcidade #odeioesselugar As vezes entendo o preconceito tem gente que devia permanecer no tronco ! Pessoas ignorantesssss ECA"(sic).


A postagem foi feita ainda na quarta-feira pelo telefone celular da moça, mas até o momento desta publicação mais de 180 pessoas já tinham utilizado a opção "compartilhar" para repudiar a postura da jovem.
Kenya também recebeu críticas por comentários postados abaixo da frase que gerou polêmica. Em resposta a uma delas, a jovem branca com terceiro grau completo disse não ter generalizado, mas que tem "pavor a ignorância" e que "infelizmente tem alguns negros que não podem mesmo ter nenhuma posição".
"E todos nós sabemos disso! Não sejamos hipócritas!!!, finalizou.
A reportagem do SRZD tentou entrar em contato com a internauta, mas não obteve resposta. Minutos depois da tentativa, o post foi apagado.
Após tomar conhecimento do caso pelo SRZD, o ex-ministro da Igualdade Racial e deputado federal Edson Santos (PT), emitiu uma nota de repúdio ao comentário da jovem. Ele reconheceu o avanço do diálogo sobre o tema no país, mas deixou claro que o racismo ainda há "um longo caminho pela frente" para resolver o problema.
"Casos como esta postagem nas redes sociais demonstram o quanto o racismo está arraigado no inconsciente das pessoas, que ainda se surpreendem ao verem negros em posse de bens ou exercendo funções mais destacadas no mercado de trabalho e na sociedade. Então, apesar de todos os avanços, ainda temos um longo caminho pela frente até alcançarmos uma situação equilibrada em termos de relações raciais no Brasil, na qual estejamos livres da discriminação racial e exista mais respeito à diversidade", diz trecho da nota.
Racismo prevê pena de até três anos de reclusão
Se enquadrada na Lei do Crime Racial (Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989), a atitude da internauta Kenya Mayrink pode resultar em reclusão de um a três anos e pagamento de multa.
O artigo 20 da lei citada acima diz que é proibido "praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional".

Diga não ao Preconceito

24/10/2012